Emails aos membros da CREDN

 Antes de ir a plenário, a concordata deve ser votada pela Comissão de Relações Exteriores (CREDN), onde tramita agora. O voto da comissão pode contrariar o parecer favorável do relator, e tem grande influência no plenário. Os deputados que votaram pela urgência da tramitação têm boa chance de votar também pela aprovação da concordata, portanto esses são alvos prioritários. A votação da CREDN está prevista para ocorrer nos próximos dias, portanto mandem seus emails já!!

Deputado a favor da urgênciaemail

Aracely de Paula PR/MG

dep.aracelydepaula@camara.gov.br

Íris de Araújo PMDB/GO

dep.irisdearaujo@camara.gov.br

Jair Bolsonaro PP/RJ

dep.jairbolsonaro@camara.gov.br

Luiz Sérgio PT/RJ

dep.luizsergio@camara.gov.br

Maria Lúcia Cardoso PMDB/MG

dep.marialuciacardoso@camara.gov.br

Nilson Mourão PT/AC

dep.nilsonmourao@camara.gov.br
Damião Feliciano PDT/PB, 1º vice da CREDNdep.damiaofeliciano@camara.gov.br

 

Dep. que não participou da votação de urgênciaemail

Arlindo Chinaglia PT/SP

dep.arlindochinaglia@camara.gov.br

Átila Lins PMDB/AM

dep.atilalins@camara.gov.br

Ibsen Pinheiro PMDB/RS

dep.ibsenpinheiro@camara.gov.br

Maurício Rands PT/PE

dep.mauriciorands@camara.gov.br

 

Deputado contra a urgência

email

Dr. Rosinha PT/PR

dep.dr.rosinha@camara.gov.br

George Hilton PP/MG

dep.georgehilton@camara.gov.br

Takayama PSC/PR

dep.takayama@camara.gov.br

Severiano Alves (PDT/BA) (pres. da CREDN)

dep.severianoalves@camara.gov.br

ATEA: ação urgente sobre a Concordata

Abaixo, divulgamos o email que a associação enviou aos seus membros, chamando-os à ação no que diz respeito à concordata com a Sé de Roma.

 


ATEA: ação urgente sobre a Concordata

Prezado(a) associado(a),

Em novembro último, o governo brasileiro assinou um acordo com a Sé de Roma, também conhecida por Santa Sé, órgão máximo da Igreja Católica Apostólica Romana. Esse acordo implica uma severa violação da separação entre Estado e Igreja preconizada por nossa Constituição, e não deve ser encarado como uma causa menor. Esse é o maior retrocesso sobre a laicidade desde 1890, e provavelmente o pior que veremos em décadas futuras. Lutar contra esse acordo, portanto, é a mais importante causa abraçada pela Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos.

Conforme informamos através da seção Dia a Dia, que relata virtualmente todas as movimentações da entidade, a presidência da instituição já foi a Brasília duas vezes tratar do assunto. Na primeira, para expor a posição da Atea ao relator da proposta, que já havia recebido a CNBB e, até onde se sabe, não foi procurado por nenhum outro grupo. Na segunda, havia duas agendas: inicialmente, uma audiência com o presidente da Câmara, Michel Temer, em que pedimos seu apoio para que a tramitação não recebesse caráter de urgência (uma demanda cuja importância vale a pena entender). No sia seguinte, havia uma audiência pública sobre a matéria, que acabou sendo cancelada devido à morte de um deputado. 

Uma terceira viagem a Brasília estava prevista para a última terça-feira, desta vez a pedido da professora Roseli Fischmann, uma importantíssima figura na luta do Estado laico, cujo grupo viajaria a convite do dep. André Zacharow para que enfim fosse realizada a audiência pública. Por desencontros de agenda, a viagem não aconteceu, mas a audiência pública foi realizada e ganhou uma prorrogação para a próxima terça-feira, com auspiciosos sinais de que o projeto talvez não seja aprovado, a despeito dos fortes sinais em contrário.

O mérito do acordo e o desenrolar das negociações são temas importantes cuja extensão não cabe detalhar aqui, e por isso aconselhamos a leitura de http://acordovaticano.blogspot.com/2009/07/perguntas-frequentes-sobre-concordata.html e outras entradas do mesmo site, criado pelo presidente da Atea para centralizar informações e apoios — não em nome da entidade, mas para acolher todos os interessados no tema, que está ligado a uma enorme pluralidade de causas, grupos e instituições. Basta dizer que um dos artigos estabelece que o governo Brasileiro continuará “a cooperar para salvaguardar, valorizar e promover a fruição dos bens, móveis e imóveis, de propriedade da Igreja Católica”.

O objetivo desta comunicação é alertar e sensibilizar os membros para esta causa. Como o tema não tem sido objeto de cobertura da imprensa nem do mundo online, é vital informar a todos, de todas as maneiras possíveis, e encorajá-los a agir. A Igreja e os partidários do acordo têm feito o máximo possível para apressar a tramitação e assim evitar completamente que a sociedade seja infomada.

Não se pode lutar contra um mal que não sabemos existir. Por isso é importante que os membros mandem cartas a jornais, comentem em seus blogs, enviem emails, espalhem a notícia em listas de discussão, comunidades de Orkut, fóruns e todos os espaços relevantes. É hora de cobrar dos nossos deputados que se posicionem pela laicidade do Estado, e o blog acordovaticano já tem ferramentas e links prontos para isso: usem o link http://acordovaticano.blogspot.com/2009/07/mande-mensagem-aos-lideres.html e/ou vão direto ao site da Câmara, em http://www.camara.gov.br/internet/portalrelacionamento/defaultdeputados.asp.

É difícil expressar em poucas palavras a relevância capital que tem para nós e nosso país a rejeição do acordo com a Sé de Roma. Perto dela, todas as demais causas por que lutamos são pequenas e sem importância. Uma vez que o acordo seja aprovado, ele poderá ser livremente expandido pelo executivo sem qualquer interferência pelos demais poderes, e só poderá ser rompido se e quando a Igreja assim o desejar: ou seja, nunca. Não deixem que isso aconteça. A ATEA e os ateus têm um enorme papel a cumprir, e um importante dever que praticamente nenhuma outra instituição está cumprindo. Façamos a nossa parte antes que seja tarde, pois o acordo pode ir a votação e ser aprovado a qualquer momento.

 

Atenciosamente,

A Diretoria

Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos

www.atea.org.br  

 

Atea vai novamente ao Congresso

A Atea foi mais uma vez ao Congresso para procurar impedir a aprovação da Concordata naquela casa.

 

No último dia 30, a presidência da Atea participou de uma reunião com o deputado Michel Temer, presidente da Câmara. Temer recebeu uma comissão liderada pelos deputados Ivan Valente, Dr. Rosinha e André Zacharow, da qual participaram também a professora Roseli Fischmann e Kauara Rodrigues, entre outros. Nosso pedido era a rejeição do pedido de regime de urgência na tramitação da concordata. 

Pouco antes da reunião, fomos surpreendidos pela notícia de que o acordo para que a urgência não fosse votada antes da audiência pública do dia seguinte havia sido rompido pelos partidários da Igreja Católica e que já havia entendimento de aprovação da urgência. O presidente da Câmara afirmou que estava sendo pressionado semanalmente pelos líderes partidários para aprovar a urgência e sugeriu que fôssemos procurá-los.

Na votação que ocorreu logo depois do nosso encontro, o plenário aprovou a urgência, de maneira que o projeto não mais será apreciado pela Comissão de Trabalho ou sequer pela Comissão de Constituição de Justiça. E a audiência pública prevista para o dia seguinte acabou sendo cancelada devido à morte do deputado Pinotti.

Tudo indica que o revés se deu porque a bancada evangélica voltou a apoiar a idéia de uma “lei geral das religiões”, conforme noticiado nesta coluna com exclusividade, em troca da aprovação da concordata. Uma nova audiência pública está marcada para a próxima terça-feira, e desta vez a presidência da Atea já tem à disposição passagens fornecidas pela Câmara para colaborar com a professora Roseli.

Não deixem de enviar suas mensagens aos líderes partidários pedindo que a concordata seja rejeitada. A votação pode acontecer nos próximos dias. Há uma lista de endereços em http://acordovaticano.blogspot.com/.

 


 

Na segunda-feira à noite, o programa Brasil das Gerais, da Rede Minas, versará sobre ateísmo e contará com o presidente da Atea.  



Archives by Month:


Archives by Subject:


Archives by Year:

  • 2018
  • 2017
  • 2016
  • 2015
  • 2014
  • 2013
  • 2012
  • 2011
  • 2010
  • 2009
  • 2008